link para site da Madereira Colina

   

PÁG. INICIAL
FEIRAS
FÓRUM
ANÚNCIOS
ASSOCIAÇÕES
LISTA DE CRIADORES
LOJA VIRTUAL
LISTA DE FORNECEDORES
OUTROS_SITES
MANUAIS DE CRIAÇÃO
COTAÇÕES
ARTIGOS
LIVROS
ENDEREÇOS
BATE PAPO
E-MAIL

 

MUTAÇÕES

Matéria extraída do livro “Criação Comercial de Chinchilas” da bióloga Adriana Remião Linden e publicado no suplemento técnico do boletim da Asbrachila – nr.6 (janeiro, fevereiro e março de 2001)

 

Os genes dos seres vivos são transmitidos aos seus descendentes por ocasião da reprodução. Existem mecanismos celulares responsáveis pela transmissão fiel da informação genética através das gerações. Ainda assim, podem ocorrer "erros" ou modificações no material genético durante estes processos de duplicação e transmissão, gerando as mutações.

Mutacões são alteracões súbitas e hereditárias do material genético.

 As mutações podem ser espontâneas, resultantes de erros durante a replicação do DNA (material genético) ou da presença de agentes mutagênicos no ambiente natural ou induzidas. As mutações induzidas resultam da exposição de organismos agentes mutagênicos que reagem com o DNA, como luz ultravioleta, radiação ionizante ou vários agentes químicos.

Este é um tema bastante complexo, que pode ser melhor estudado em livros específicos de genética.Abordaremos aqui apenas as mutações que interessam à industria de peles de chinchilas.

As mutações que interessam em chinchilas estão relacionadas à cor

Quando falamos de mutações em chinchilas, estamos nos referindo às mutações espontâneas , relacionadas à cor dos pelos desses animais. É claro que existem muitos outros tipos de mutações em chinchilas, mas nosso interesse imediato está naquelas que afetam diretamente nosso produto final: a pele.

Uma mutação expontânea é produzida uma vez a cada 50.000 crias de chinchilas (1) Em estado selvagem, as chinchilas mutantes só sobrevivem e se proliferam se a mutação contribuir para adaptação do animal ao meio ambiente. Por esta razão, muitas mutações são perdidas quando em estado selvagem.

Em cativeiro, por outro lado, as mutações caso ocorram podem ser trabalhadas através de cruzamentos dirigidos preferencialmente por geneticistas, a fim de que se possa obter mutantes selecionados, com características que interessam ao mercado peleteiro e que sejam transmissíveis aos descendentes.

Diversas mutações para cor já apareceram subitamente em criatórios de chinchilas em todo o mundo. Poucas, porém, adquiriram valor comercial. Para possuir boa colocação no mercado, a mutação, além de reproduzir belas peles, deve também ser estável o suficiente para que se obtenha uma boa quantidade de peles uniformes, que possam ser trabalhadas em lotes.

Chinchila standard, normal, cinza, selvagem ou agouti

A chinchila "standard", "normal" ou "agouti" é a mesma que vivia em estado selvagem nas cordilheiras, porém melhorada através de muitos anos de seleção e cruzamentos dirigidos. Esse animal passou de um dorso cinza-pardo, em estado selvagem, a cinza-negro azulado e de uma barriga amarelada a branco puro.

O termo agouti é utilizado em roedores para caracterizar o tipo de pelagem que apresenta diferentes áreas de pigmentação sobrepostas, como ocorre na chinchila "standard", cujas fibras de pêlo possuem três zonas bem distintas: cor de fundo escura, banda branca e pontas pretas. O dorso cinza-escuro e a barriga branca produzem o contraste característico entre a região central e as laterais das peles de chinchila.

São vários os pares de genes que determinam cor em chinchilas

Como o pêlo da chinchila é composto por camadas sobrepostas de coloração distintas, pode-se concluir que existem diferentes pares de genes responsáveis por essa diversidade de cores. Assim sendo, são várias as possibilidades de mutações, já que são vários os genes envolvidos. Mutações em diferentes genes produzem diferentes efeitos, o que indica uma grande possibilidade de variações para cor em chinchilas.

Nas décadas de 60 e 70, as mutações despertaram grande interesse da indústria de peles devido ao seu potencial para conquistar um mercado interessado em novidades. Nesta época, foram realizados estudos sobre genética em chinchilas visando uma melhor compreensão das mutações para cor e seus padrões de herança. Os diferentes pares de genes e seus símbolos, bem como as descendências esperadas do cruzamento das diversas mutações, podem ser encontrados nas publicações "A Textbook of Chinchilla Genetics", de E. T. Kelley, ou "Basic Genetics of the Coat Color of Chinchilla", editado pela Mutation Chinchilla Breeders ASS'N, ambas em 1970.

As mutações podem ser dominantes ou recessivas

Conforme o tipo de herança de uma mutação, podemos classificá-las como dominante ou recessiva. As mutações dominantes são aquelas que, quando cruzadas com animais standards, produzem descendentes na proporção de 50% standards e 50% mutantes. Ou seja, já na primeira geração nascem filhotes da mesma mutação de um de seus pais.

Já as mutações recessivas, quando cruzadas com standards, produzem apenas animais standards na primeira geração. Na verdade, esses descendentes são fenotipicamente standads, mas, carregam o gene da mutação em sua carga genética. Assim, quando cruzados entre si, produzem filhotes na proporção de 25% mutantes e 75% standards. Destes 75% standards, 50% serão portadores do gene da mutação, como seus pais. Simplificando, as mutações dominantes aparecerão no fenótipo (aparência externa) do animal sempre que um gene de mutação estiver presente no genótipo (carga genética). Já as recessivas, aparecerão no fenótipo apenas quando estiverem presentes dois genes para mutação no genótipo, um herdado do pai e outro da mãe. Se houver apenas um gene, o animal terá fenótipo standard e será portador do gene da mutação, podendo transmiti-lo aos seus descendentes.

Mutação negra ou Gunning Black Velvet

De todas as mutações que surgiram até os dias de hoje em chinchilas, a Black Velvet, conhecida como negra na América do Sul, é a de maior sucesso e a única que possui bom mercado na indústria peleteira atual.

O mutante que originou os black velvets foi uma fêmea nascida de pais standard, em 1955, em Utah, EUA. Essa fêmea possuía apenas machas negras na cabeça, ao redor dos olhos e focinho, tendo chamado a atenção de Robert Gunning, criador conceituado no ramo de seleção e melhoramento genético. Através de cruzamentos dirigidos entre chinchilas com mancha negra e standards cuidadosamente selecionados, após cerca de doze anos o sr. Gunning conseguiu produzir animais com véu negro cobrindo todo o corpo, com exceção da barriga branca. Em 1967, o mercado conheceu as primeiras peles da Mutação Gunning Black Velvet ("veludo preto") o que causou um grande alvoroço na indústria da chinchila e uma supervalorização dos exemplares negros.

Essa mutação é do tipo dominante, o que favoreceu sua disseminação, já que metade dos filhotes que nascem da cruza de um negro com standard são negros. Por outro lado, existe um fator letal associado à mutação, que causa a morte dos fetos homozigotos negros (dois genes de mutação). Por este motivo, os black velvet não devem ser cruzados entre si.

Além do véu negro e brilhante em todo o corpo, os black velvet possuem uma textura particular, aveludada, de grande beleza. As peles dos mutantes negros são muito valorizadas no mercado, desde que sejam de boa qualidade.

É muito importante selecionar corretamente os animais standards a serem cruzados com negros. Há casos de cruzamentos mal realizados que originam animais impuros, com reflexo e opaco. Os standards escolhidos para cruzar com negros devem possuir ótima qualidade de pele, pureza, véu preto, completo e brilhante.

Os black velvet possuem um comportamento mais agressivo do que os standards e as fêmeas, em geral, são menos prolíferas.

Os filhotes da mutação negra são reconhecidos ao nascer pela presença de pêlo preto na cabeça, em especial, próximo ao focinho. Também é fácil diferenciar pelas patas dianteiras: as mãos do standard são brancas e as do negro possuem a parte superior preta. A cor do lombo de um filhote recém-nascido negro é semelhante à de um standard escuro.

Na qualidade de geneticista especializada em melhoramento genético de chinchilas, gostaria aqui de dar um conselho aos novos criadores: só introduza negros em seu plantel após possuir standards uniformes e de boa qualidade. Se esta mutação, como qualquer outra, não for bem-trabalhada, pode introduzir uma série de características indesejáveis no plantel. Procure sempre assessoria técnica ao trabalhar com mutações, seja consciente para não perder as boas características que você já possui.

Outras mutações de menor importância para a indústria

Vários tipos de mutações surgiram nos criatórios de chinchilas espalhados pelo mundo, mas nenhuma conseguiu se firmar como a black velvet.

A mutação bege possui algum interesse comercial, mas o problema está em uniformizar o tom de cor dos mutantes beges para produção em maior escala. Esses animais variam de uma coloração creme até bege escuro. Existem mutações bege do tipo dominante (bege Tower-Delaney) e recessivas (bege Wellman e Sullivan entre outras.

As chinchilas de mutações brancas não têm boa aceitação no mercado, pois não possuem véu e não têm o contraste característico entre barriga e lombo. Existem vários tipos de mutações brancas, sendo a Wilson White, mutação dominante com fator letal, a mais conhecida. Através de cruzamentos com brancos podem ser obtidos animais dos tipos silver e mosaico.

As mutações mais conhecidas que produzem peles com tonalidades azuis acentuadas são a safira e a violeta, ambas do tipo recessivo. Os mutantes da primeira apresentam lombo azulado e os da segunda, duas diferentes tonalidades de violeta.

A mutação denominada charcoal ou preto-carvão-vegetal merece atenção especial pelos problemas que causa aos criadores de chinchilas. Esses mutantes possuem o lombo variando de cinza muito escuro até um preto quase perfeito, em geral têm ótimo véu e textura sedosa. O problema é que a barriga dos "charcoal" é marrom, e não branca como exige o mercado de peles. Sendo uma mutação do tipo recessiva, fica "escondida" nos portadores, que tem fenótipo "standard" mas carregam o gene "charcoal". Quando dois portadores são cruzados, aparece a barriga marrom tão rejeitada pelos peleteiros. Para agravar ainda mais a situação, o fato desses animais possuirem cor muito escura e ótimo véu fez com que eles fossem utilizados para melhorar essas características de animais standards, o que aumentou muito a frequência de standards portadores de gene "charcoal" no mundo. Através de uma criteriosa análise de progênie de todo o plantel, é possível, para aqueles que têm bons conhecimentos de genética, detectar e eliminar os portadores de genes "charcoal" das linhas de cria.

O cruzamento de diferentes mutações entre si tem originado animais com diversas tonalidades de cor e textura. Entre esses podemos citar toque-de-veludo, resultante de cruzamento entre negro e bege, o pink, entre bege e branco, o velvet-charcoal, entre negro e charcoal, o safiro-real, entre safiro e negro e o castanho-andino, entre bege e charcoal.

Existe um grande potencial a ser desenvolvido no campo das mutações em chinchilas. Este é um tema que deve ser muito melhor estudado para que se possa lançar ao mercado produtos que sejam atrativos para a indústria peleteira, na quantidade e uniformidade necessárias.

 (l) Estimativa de LABEREE, E. E., citado por Juan Grau em .”LA CHINCHILLA: SU CRIANZA EN TODOS OS CLIMA". 1992.

 

GALERIA
Confira a coleção de fotos de casacos dos principais nomes da costura mundial.  
página grande, leva em torno de 8 minutos para baixar.

Envie sua mensagem ;