link para site da Madereira Colina

   

PÁG. INICIAL
FEIRAS
FÓRUM
ANÚNCIOS
ASSOCIAÇÕES
LISTA DE CRIADORES
LOJA VIRTUAL
LISTA DE FORNECEDORES
OUTROS_SITES
MANUAIS DE CRIAÇÃO
COTAÇÕES
ARTIGOS
LIVROS
ENDEREÇOS
BATE PAPO
E-MAIL

 

A RESPEITO DA MATURAÇÃO DE PELES

Artigo publicado no boletim da Achila em agosto de 1987.

O processo de maturação de peles e a sua importância não são geralmente bem entendidos pelos criadores em geral é, por essa razão, que achamos conveniente tratar deste assunto, lembrando algumas noções fundamentais destinadas, sobretudo, a orientar os verdadeiros criadores, isto é, aqueles que já se convenceram de que o principal objetivo de uma criação de chinchilas é a produção e a preparação de peles brutas.

Quando uma chinchila nasce, seu corpo já vem coberto de pelos e a quantidade de pelos por centímetro quadrado de epiderme depende unicamente das qualidades genéticas que lhe foram transmitidas por seus pais. É o que se chama “densidade hereditária”.

Sendo um dado genético, a densidade, no início da vida do filhote, é invariável e, só posteriormente, no decorrer dos meses e dos anos, poderá, eventualmente, aumentar de acordo com as condições ambientais e alimentares, porem de maneira infinitésima e somente perceptível após várias gerações de animais submetidos às mesmas condições de criação.

Nas primeiras semanas de vida, o corpinho do animal cresce muito mais rapidamente do que quando se aproxima da idade adulta. Durante esse período de rápido crescimento do corpo ocorre também o rápido crescimento do pelo. Crescendo o corpo, aumenta a superfície da epiderme e, nessa fase, é bastante evidente a densidade, valor genético constante que vai rapidamente cobrir de pelos as novas áreas da epiderme. Se assim não fosse, os tufos de pelos iniciais ficariam espalhados no corpo com espaços calvos entre eles e a densidade diminuiria.

A partir de certa idade, variável com os animais e com regime alimentar, o crescimento do corpo torna-se mais lento, não havendo mais necessidade de se cobrir tão depressa de pelos os novos espaços disponíveis de epiderme.

Daí para frente, o crescimento dos pelos se processa por ciclos sucessivos de 3 ou 4 meses. No fim de cada ciclo há um período, por assim dizer, de estagnação durante o qual param de crescer. Enquanto o animal não atingiu a idade de, aproximadamente, 18 meses, o crescimento do corpo continua e, durante o período compreendido entre o fim de uma maturação e o início de outra, a densidade da pelagem diminui ligeiramente.

Antes de iniciar um período de crescimento, a substância corrente das células, chamadas de “pigmento”, concentra-se na epiderme, ou melhor, nos bulbos pilosos. Trata-se de um processo fisiológico provocado por reflexo. Esse pigmento passa nos folículos e se incorpora aos pelos enquanto estão crescendo. Esse processo pode ser verificado quando, por uma razão qualquer (fungo ou queda de pelo) se arranca os pelos de uma chinchila no corpo inteiro. A epiderme, após ser arrancado o pelo, mostra-se branca ou de cor rosa; alguns dias após, fica de cor azul e assim permanece durante todo o processo de crescimento. Enquanto está em crescimento, o pelo tira da epiderme, por intermédio do bulbo e do seu folículo, o pigmento que lhe vai dar a cor escura. Quando termina o crescimento e o pelo já colheu, da epiderme, todo o pigmento, a epiderme perde a cor azulada e volta a ser branca ou cor de rosa.

No ponto final da maturação, isto é, no fim exato de um ciclo de crescimento, a pelagem se encontra na sua melhor condição fenotípica: a densidade atinge o ponto máximo, todos os pelos tem o mesmo comprimento, a cor azul, proveniente da pigmentação, passou para os pelos, a cor da base e da ponta tem a sua maior intensidade, as pontas dos pelos, que formam a cobertura de véu, tem uma aparência uniforme, as bandas de todos os pelos coincidem entre si dando a pelagem aquele aspecto brilhante e azulado, o que quer dizer que o animal atingiu o ponto de maior esplendor florescente. É nesse momento exato que a chinchila, destinada a pele, deve ser abatida.

Além da cor da epiderme, há outros sinais fenotípicos que podem indicar quando os pelos iniciaram um novo ciclo de crescimento. Os primeiros sinais exteriores visíveis desse processo de crescimento são as linhas de crescimento (maturação) que aparecem, geralmente, na garupa e nas ancas; elas se parecem com falhas na igualdade da pelagem e são provocadas pelos novos pelos que vão crescendo entre os antigos.

Soprando-se onde há essas linhas de crescimento, forma-se um funil no fundo do qual aparecem os novos pelos de alguns milímetros de comprimento bem visíveis devido a sua banda, dando-nos a impressão de que existem dois funis no mesmo lugar com beiras brancas, um pequeno encaixado dentro de um maior.

A medida que os novos pelos vão crescendo, desaparecem essas linhas de crescimento. Aproximando-se o fim do crescimento, aparece um novo sinal: as desigualdades na formação do véu. Soprando-se nos lugares onde há essas desigualdades, aparecem novamente dois funis cercados por uma banda branca, mas, desta vez, o menor é quase do mesmo tamanho que o maior.

Assim, a maturação dos animais destinados para pele deve ser controlada de duas maneiras: primeiro, olhando e procurando as linhas de crescimento, sem necessidade de se tirar o animal da gaiola e, segundo, após o desaparecimento dessas linhas, soprando-se na pelagem para ver se todos os pelos novos atingiram o seu comprimento normal e se a epiderme está branca ou cor de rosa. Essa segunda constatação dever ser semanal.

O processo de maturação não é o mesmo para todos os animais, nem mesmo na mesma criação. Geralmente, começa na garupa e termina na cabeça. Para outros, porém, é o contrário: começa na cabeça e termina na garupa. Outros tem uma maturação desordenada, uma vez que os pontos de início de crescimento aparecem em vários locais diferentes do corpo ao mesmo tempo, tais como na garupa, na cabeça, nos ombros, nos flancos. Esses animais, dificilmente chegarão a uma maturação perfeita e o interior do couro apresentará sempre pequenas manchas azuis disseminadas.

A diversificação no processo de maturação de um animal para outro tem pouca importância numa criação pequena pois o criador terá tempo para se dedicar a cada caso particular, mas o mesmo não ocorre numa grande criação onde acarreta grandes dificuldades que deverão ser resolvidas por medidas e métodos apropriados.

Quanto a idade para abate dos animais destinados a peles, as opiniões variam de um criador para outro. Alguns preferem abate-los ainda jovens, entre 8 e 9 meses, quando ocorre a primeira maturação de adultos, sob a alegação de que essa primeira maturação proporciona peles melhores com menor custo alimentar. Outros escolhem a segunda maturação, entre 12 e 14 meses, alegando que as peles são maiores, com conseqüente maior lucro. Daí, cada criador deve adotar a sua própria experiência.

Quando um animal perde o pelo ao ser apanhado numa gaiola ou quando fica com o pelo branco da barriga manchado pela urina, que se poderá fazer? Alguns criadores, nesse caso, arrancam o pelo do corpo inteiro e esperam 3 ou 4 meses, findos os quais, o animal se encontrará novamente no ponto exato de maturação. (na minha opinião [Adilson] este procedimento não traz bons resultados por ser difícil de se arrancar todo o pelo do animal e pelo sofrimento que causa ao mesmo. Tendo como hábito manter as gaiolas limpas e dar banho regularmente aos seus animais manterá a barriga branca. Há inclusive fornecedores de maravalha sem resina que, apesar de bem mais caras, tem uma taxa de absorção maior e não interferem na coloração do pelo do animal)

Quando ocorre o fim de um ciclo de crescimento chamado “PRIME” pelos americanos, a pelagem se encontra na sua melhor condição fenotípica, a densidade está no seu ponto máximo, todos os pelos tem o mesmo comprimento, toda a cor azul, proveniente do pigmento, passou para os pelos, as pontas que formam a cobertura do véu tem aparência uniforme, as bandas de todos os pelos coincidem entre si e tudo dá a pelagem um aspecto brilhante o que quer dizer que o animal está no seu ponto de explendor florescente. Esse ó o momento ideal para o abate do animal.

Uma boa maturação é necessária tanto porque a pelagem atinge o melhor aspecto como porque o couro de uma pele madura é mais resistente e apresenta menos riscos de ser rasgada ou de perder pelo durante o processo de curtição. Além disso, é mais apreciada pelo peleteiro uma vez que sua resistência permite pontos de costura mais fortes e para o criador os preços pagos pelas peles extraídas no ponto exato da maturação são mais altos e o que todos querem é vender suas peles pelo melhor preço possível.

 

GALERIA
Confira a coleção de fotos de casacos dos principais nomes da costura mundial.  
página grande, leva em torno de 8 minutos para baixar.

Envie sua mensagem ;