WWW.CHINCHILA.COM.BR
Site mantido por Adilson C.G.Mendes - SP

<% Dim ad Set ad = Server.CreateObject("MSWC.AdRotator") %> <%=ad.GetAdvertisement("/schedule.txt") %> <% Set ad = Nothing %>

 

 
   Pesquise este site ou a web inteira        powered by FreeFind
 
  Pesquisa o Site Pesquisa a Web
 
PÁG. INICIAL
FEIRAS
FÓRUM
ANÚNCIOS
ASSOCIAÇÕES
LISTA DE CRIADORES
LOJA VIRTUAL
LISTA DE FORNECEDORES
OUTROS_SITES
CRIAÇÃO
COTAÇÕES
ARTIGOS
LIVROS
ENDEREÇOS
BATE PAPO
E-MAIL

 

Nature Magazine Cover O que segue é um artigo que aparece em dezembro 1926 (Sim ...1926!) assunto da Revista Nature. O artigo intitulou " Chinchila - Um americano Desaparecendo" foi escrito por Colin Campbell Sanborn do Museu de Campo de História Natural.

Nós pensamos que você achará este um interessante pedaço da história da chinchila.

Title from magazine:  Chinchilla - A Vanishing American

A big T HOJE nós falamos do búfalo selvagem, pombo passageiro, e outra espécie de mamíferos e pássaros como coisas do passado. Por uma razão ou outra, eles perderam seus lugares na ordem das coisas e caíram antes do avanço esmagante de nossa assim denominada civilização . América do Norte não é o único lugar onde certas criaturas da natureza lutaram uma batalha perdida contra homem, na América do Sul também é encontrado animais e pássaros que logo serão forçados ao esquecimento.

Um destes desafortunados é a chinchila, longamente famosa por sua pele cinza suave. Muitos conhecem a pele de chinchila porque é tão escassa e cara, mas poucos conhecem qualquer coisa sobre o pequeno animal de onde ela provêm. Antes que a chinchila torne-se apenas uma desbotada memória ela está lutando para contar algo sobre ela além do mero valor de dinheiro de sua pele

 

A chinchila (Chinchila lanígera) foi descrita primeiramente por Moline, o naturalista pioneiro do Chile, em 1782, e até vinte ou vinte e cinco anos atrás era comum nos Andes do norte Chile e Argentina, e sul do Peru e Bolívia. As chinchila viveram a altitudes de três mil pés (900m) para quinze mil pés (4500m) sobre nível de mar onde o clima é frio e seco. Suas casas estavam entre as pedras e pedregulhos, e elas viviam do latido, galhos, e folhas dos baixos arbustos daquela região. Gramas montanhesas grossas também figuraram na dieta delas, e o orvalho que caia nestas plantas provia a água.

  Man with chinchilla in his lap. Aqui, então, era a casa delas - muitas milhas do homem e seus trabalhos. Elas se mantiveram, como a natureza planejou que elas deveriam, contra as depredações dos seus inimigos naturais, os quiques ou doninhas, raposas, gatos selvagens, e aves de rapina. Como elas não foram dotadas de nenhum meio de defesa contra esses inimigos, a segurança delas residiam na fuga, e em buracos e fendas entre as pedras. A natureza as adaptou para movimento em cima de solo desigual lhes dando pés traseiros longos e pernas para saltar de pedra em pedra, e um longo rabo peludo para agir como um equilíbrio e leme enquanto velejando pelo ar. Em algum buraco ou greta debaixo de uma pilha de pedregulhos, cada par produz de um a três filhotes por ninhada e é suposto que tem tido duas ninhadas por ano. A natureza também lhes proporcionou um espesso e quente casaco cinza, para os ventos montanheses que são frios e cortantes, e este mesmo casaco foi a causa de sua ruína.

 

Elqui Valley in Chile. Quando as senhoras expressaram seu desejo pela pele da chinchila, o homem e seus cachorros invadiram seus domínios rochosos. As faces de cachorros selvagens perscrutaram nos seus recantos e homem trouxe o seu pior inimigo, o quiqui que ele tinha conquistado, treinado para trabalhar para ele, e acabar com elas. Onde a chinchila tinha, até agora, achado segurança em baixo de pedregulhos balançantes, elas acharam a morte agora na forma da figura de uma armadilha. Esta perseguição não foi por alguns meses ao ano, quando seus casacos eram os mais pesados e espessos, mas, uma vez começado, nunca parou até que somente algumas carcaças secas foram deixadas para mudamente falar o que tinha acontecido.

Quando a matança primeiro começou, suas peles eram vendidas por um peso e meio, ou aproximadamente quinze centavos cada, e, até mesma a essa pequena cifra, muitos compradores de pele perderam dinheiro no investimento. Hoje, peles são valorizadas de duzentos e cinqüenta a quatrocentos pesos, ou vinte e cinco a quarenta dólares cada, dependendo da qualidade. Quanto mais alto a altitude e mais seco e frio o clima, melhor a pele.

Finalmente e inevitavelmente as chinchila tornaram-se muito escassas. Quando já era muito tarde, o governo de chileno votou uma lei proibindo a captura de chinchilas. Em 1924, no norte do Chile, porém, eu conheci um Chinchilero, um homem que ganha a vida caçando chinchilas, que me falou que ele captura de uma a três por mês. Ele provavelmente exagerou, mas ele tinha pego algumas e a lei parecia não significar nada para ele. Não havia ninguém para vigiá-lo e obrigá-lo a cumprir a lei, assim ele não se preocupou sobre isto

 

Em seguida, pessoas começaram a tentar criá-las, mas até agora, e muitas pessoas tentaram, ninguém foi capaz de as criar, com sucesso, para o mercado de peles. Um homem em La Serena, Chile, teve algumas chinchila por aproximadamente seis anos. Ele as achou difícil de acasalar por elas serem muito briguentas, um dos seus maiores defeitos. Se uma fêmea fosse colocada com dois ou mais machos, os machos lutavam até que um fosse deixado para reivindicar a fêmea. A mesma coisa acontecia quando havia um excesso de fêmeas e só um macho. Algumas vezes as fêmeas que vinham vivendo pacificamente juntas, ao invés de se matarem, mataram o macho. Isto, porém, podia ser facilmente superado colocando um macho e uma fêmea em uma gaiola com uma divisão de arame entre eles e não os deixando junto até que eles mostrassem sinais positivos de quererem acasalar.

Se os filhotes são perturbantes, os pais matam e os comem. Se os filhotes fossem deixados para correr com os mais velhos, outros que os seus pais, os mais velhos mordem as suas patas dianteiras, e depois atacam as suas pernas traseiras. Este criador teve que manter todos seus casais separados e tem muito cuidado sobre perturbá-los quando eles tinham filhotes. Alimentá-los, porém, não era difícil. Eles se mantiveram em cevada, milho, aveias, e grama verde fresca. Eles não tiveram nenhuma água.

Chin with his back turned.

 

O lugar da criação era no litoral onde era úmido, portanto suas peles tinham somente um baixo valor de mercado. Chinchila têm que ter um clima alto, seco e frio para produzir boas peles. Encontrar um lugar adequado, prático, e ainda um lugar acessível para uma fazenda é uma das muitas dificuldades relacionadas com a criação delas de maneira lucrativa. A pele é valiosa somente porque ela é difícil de se obter. Ela é muito leve, se deteriora se ela for molhada, e nunca resiste ao uso por mais de uma temporada.

The so-called chinchilla rat.

Como tudo de valor, porém, a pele de chinchila tem seu substituto barato. Há um grande rato montanhês, Abrocoma, morando no mesmo país como a chinchila, chamado chinchila misturada. Os nativos acreditam que este rato de cor mais clara são cruzamentos entre chinchilas e ratos montanheses, e nenhum argumento, explicação razoável ou científica pode mudar seus ponto de vista. Uma das espécies destes ratos, Abrocoma murrayi, a das maiores altitudes, tem uma pele cinza clara quase da mesma cor que a chinchila. A diferença entre os animais pode ser vista nas fotografias, mas quando os pés, cabeça, e cauda são cortados fora, a pele passa como, para a pessoa comum, de verdadeira chinchila. Muitas pessoas, a maioria turistas, foram explorados por pagarem dez dólares por cada pele de rato que poderia ser comprada em qualquer lugar por dez centavos se eles tivessem notado a diferença.

 

Parece agora que a chinchila está condenada a extinção, pois a lei não pode protege-la e ela não pode ser criada com sucesso suficiente mesmo para repopular uma pequena porção dos Andes. Embora nunca tenha sido demonstrado que a chinchila tenha sido de grande benefício ao homem, ela certamente nunca lhe prejudicou, e parece um crime que tão bonita, inofensiva criatura deva desaparecer desta terra. Nós, do hemisfério norte, deveríamos ganhar uma lição do desaparecimento desta bonita e inofensiva criatura, pois muitos de nossos próprios animais estão em igual perigo como resultado da irrefletida cobiça e matança do homem. A bright little chap.


Selos estão disponíveis em www.ChinWorld.com
A boa notícia é que a chinchila ainda não está completamente extinta. E, enquanto nós agora sabemos como criar chinchilas no cativeiro, a lamentável verdade é que como tantas outras espécies, as chinchilas estão virtualmente na margem da extinção na natureza. Esperançosamente, o tempo ainda não acabou para estas maravilhosas criaturas e, algum dia, elas irão conhecer de novo o que é viver sem serem molestadas pelo homem.

Envie sua mensagem

Última atualização: 09 abril 2002